14 agosto 2016

SAÚDE (HISTÓRIA NATURAL DAS DOENÇAS,NÍVEIS DE PREVENÇÃO etc)

SAÚDE
HISTÓRIA NATURAL DAS DOENÇAS
NÍVEIS DE PREVENÇÃO
NÍVEIS DE COMPLEXIDADE
ATIVIDADE

SAÚDE

É um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não consiste apenas na ausência de doença ou de enfermidade.
Gozar do melhor estado de saúde que é possível atingir: constitui um dos direitos fundamentais de todo o ser humano, sem distinção de raça, de religião, de credo político, de condição econômica ou social.

HISTÓRIA NATURAL DAS DOENÇAS

É o nome dado ao conjunto de processos interativos compreendendo “as inter-relações do AGENTE, do SUSCETÍVEL e do MEIO AMBIENTE que afetam o processo global e seu desenvolvimento, desde as primeiras forças que criam o estímulo patológico no meio ambiente, ou qualquer outro lugar, passando pela resposta do homem ao estímulo, ate as alterações que levam a um defeito, invalidez, recuperação ou morte”(Leavell&Clark,1976).

A sequência de eventos que caracterizam uma doença desde atuação de fatores desencadeantes até seu desfecho (cura, sequela ou morte).

•Doença: Processo patológico definido comum quadro característico de sinais e sintomas. Pode afetar o corpo inteiro ou quaisquer de suas partes. Sua etiologia, patologia e prognósticos podem ser conhecidos ou não.
•Fatores desencadeantes: fatores associados a uma etapa crucial ou decisiva de uma doença, acidente, reação de conduta ou outro tipo de atividade.


MODELO - Leavell&Clark,1976

Enfoque centrado no indivíduo, com alguma projeção para a família ou grupos, e isso demonstrou certa inadequação para as doenças crônicas não-transmissíveis, pois a prevenção de tais doenças envolve medidas não só voltadas para os indivíduos e famílias, como também para o ambiente e os estilos de vida (BUSS, 2003)

I Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde -1986

“promoção da saúde é o nome dado ao processo de capacitação da comunidade para atuar na melhoria de sua qualidade de vida e saúde, incluindo uma maior participação no controle desse processo.
Para atingir um estado de completo bem-estar físico, mental e social (...) Nesse sentido, a saúde é um conceito positivo, que enfatiza os recursos sociais e pessoais, bem como as capacidades físicas.
Assim, a promoção da saúde não é responsabilidade exclusiva do setor saúde, e vai para além de um estilo de vida saudável, na direção de um bem-estar global”



PROMOÇÃO DA SAÚDE E NÍVEIS DE PREVENÇÃO

A promoção da saúde foi nominada, pela primeira vez no início do século XX. Onde também foi elaborada as quatro funções da Medicina: promoção da saúde, prevenção das doenças, tratamentos dos doentes e reabilitação. Segundo a sua concepção, a promoção da saúde envolveria ações de educação em saúde e ações estruturais do Estado para melhorar as condições de vida da população (DEMARZO, 2008).
NÍVEIS DE PREVENÇÃO PRIMÁRIA
A promoção da saúde aparece como prevenção primária, confundindo-se com a prevenção referente à proteção específica (vacinação, por exemplo). Corresponde a medidas gerais, educativas, que objetivam melhorar a resistência e o bem-estar geral dos indivíduos (comportamentos alimentares, exercício físico e repouso, contenção de estresse, não ingestão de drogas ou de tabaco), para que resistam às agressões dos agentes. Também diz respeito a ações de orientação para cuidados com o ambiente, para que esse não favoreça o desenvolvimento de agentes etiológicos (comportamentos higiênicos relacionados à habitação e aos entornos).

NÍVEIS DE PREVENÇÃO SECUNDÁRIA
Engloba estratégias populacionais para detecção precoce de doenças, como por exemplo, o rastreamento de câncer de colo uterino. Também contempla ações com indivíduos doentes ou acidentados com diagnósticos confirmados, para que se curem ou mantenham-se funcionalmente sadios, evitando complicações e mortes prematuras. Isto se dá por meio de práticas clínicas preventivas e de educação em saúde, objetivando a adoção/mudança de comportamentos (alimentares, atividades físicas etc.).

NÍVEIS DE PREVENÇÃO TERCIÁRIA
Consiste no cuidado de sujeitos com sequelas de doenças ou acidentes, visando a recuperação ou a manutenção em equilíbrio funcional.

NÍVEIS DE PREVENÇÃO QUARTENÁRIA
Detecção de indivíduos em risco de tratamento excessivo para protegê-los de novas intervenções médicas inapropriadas e sugerir-lhes alternativas eticamente aceitáveis.
Risco de adoecimento iatrogênico, ao excessivo intervencionismo diagnóstico e terapêutico e a medicalização desnecessária.
Prevenção quaternária deve ser destacada, pois permeia todos os outros níveis de prevenção, particularmente a prevenção secundária




NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DA ATENÇÃO

tecnologia de baixa densidade, fica subentendido que a atenção básica inclui um rol de procedimentos mais simples e baratos, capazes de atender à maior parte dos problemas comuns de saúde da comunidade, embora sua organização, seu desenvolvimento e sua aplicação possam demandar estudos de alta complexidade teórica e profundo conhecimento empírico da realidade.

NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DA ATENÇÃO MÉDIA
Composta por ações e serviços que visam atender aos principais problemas e agravos de saúde da população, cuja complexidade da assistência na prática clínica demande a disponibilidade de profissionais especializados e a utilização de recursos tecnológicos, para o apoio diagnóstico e tratamento.

NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DA ATENÇÃO
Conjunto de procedimentos que, no contexto do SUS, envolve alta tecnologia e alto custo, objetivando propiciar à população acesso a serviços qualificados, integrando-os aos demais níveis de atenção à saúde (atenção básica e de média complexidade).




Nenhum comentário:

Postar um comentário